Arquivo de dezembro de 2014

Postado por admin em 01/dez/2014 - Sem Comentários

Coedição: Campo Psicanalítico/Ágalma

O desafio deste livro é abordar temas cruciais para a clínica psicanalítica em uma linguagem clara, sem se afastar do rigor teórico. Os textos aqui reunidos, provenientes de diferentes fôlegos, compartilham o mesmo ar: a reflexão e a discussão acerca das incidências do gozo no sintoma e na sexuação. Implícito nessa conceituação está o objeto.
Os artigos da seção O sintoma e a interpretação discutem a difusão midiática da noção de sintoma veiculada pelo DSM e rastreiam a concepção de sintoma no ensino de Lacan, desde seus textos dos anos 50, culminando na elaboração do conceito de sinthoma. Finalmente, abordam a interpretação na teoria e na clínica psicanalíticas, indagando acerca do seu estatuto na clínica contemporânea.

A seção Os gozos compara o aforismo lacaniano que diz ser o supereu a instância que obriga ao gozo à teoria freudiana do supereu. Discute a relação sujeito/objeto no discurso capitalista e em três situações clínicas: o consumo compulsivo, a prodigalidade maníaca e a cleptomania. A partir da leitura do Seminário 20, Mais, ainda, são localizadas duas dicotomias traçadas por Lacan, amor x gozo e gozo fálico x gozo do Outro.

Os textos da seção A Diferença Sexual partem da tese de que essa diferença é efeito do significante sobre o corpo, inscrevendo o sujeito em uma divisão dos seres sexuados que diz respeito essencialmente ao simbólico, e não ao real do corpo. Retomam a “invenção” lacaniana do objeto a, comentando as suas formas e situando-o quanto ao desejo e ao gozo. Ao definir a sexuação nas dimensões real, simbólica e imaginária, mostram como Lacan parte da releitura da teoria freudiana do complexo de castração até a construção das fórmulas da sexuação, onde a diferença sexual é definida enquanto diferença de posições de gozo.

Detalhes